domingo, 16 de novembro de 2008

Bancos e Caixa de Areia

Existe a idéia de refazer a caixa de areia onde um dia ela esteve. Acho ótima a idéia da caixa. Os menores amam! E, afinal, se sujar faz bem!!! Ops, ainda não recebo pela propaganda não... :-)

Mas, na minha opinião, o melhor seria refazer a caixa no lado das crianças, ou seja, perto dos brinquedos.

Outra sugestão que surgiu foi de instalar bancos mais confortáveis. É claro que seria bom, mas tenho medo que isto atraia pessoas que queiram dormir nos bancos. Eles serão mais confortáveis, portanto mais atraentes a grupos que gostam de ficar horas e horas fumando e bebendo no nosso espaço que é primordialmente dedicado às crianças. Realmente,~não vejo necessidade.

Na verdade, acredito que a praça já esteja otimamente equipada para os padrões do Rio. O que falta mesmo é que a freqüência das crianças não pare de crescer!

5 comentários:

PEDRO disse...

Para quem já ultrapassou a barreira dos setenta anos bancos adequados são convites naturais a visitas na praça. Estive uma vez na praça e não pude ficar muito tempo. Como tudo no Brasil pensa-se pouco nos mais velhos e nada nos muito mais velhos. O pior é ver-se jovens que se acham eternos e não percebem que também envelhecerão. Surpreende-nos a resistência dos mais jovens e o preconceito contra os idosos que um dia eles serão. Em toda praça acolhedora, acolhem-se anciãos e anciãs. Em Botafogo percebe-se a inóspita acolhida documentada e publicada neste site. Se não nos querem, não nos protegem, não nos abrigam, não pensam em nós, também não pensaremos neles. A solidão portanto torna-se vencedora.

Lulu disse...

Pedro, queremos todos! Infelizmente, vivemos numa cidade, pelo menos até agora, com sérios problemas de segurança que, certamente, é de seu conhecimento. Bancos demasiadamente confortáveis trarão a curto prazo desconforto pois irão atrair muito mais gente sem ter o que fazer do que pessoas que já passaram dos setenta anos. Queria eu que não precissassemos destes recursos de prevenção, porém acredito piamente nisto. A ida de senhores e senhoras à praça, no entanto, acontece e DEVE REALMENTE acontecer. Hoje mesmo, tive o prazer de passar quase uma hora conversando co um casal que já chegou, acredite, aos noventa. Sentamos no banco já existente. Conversamos sobre o assuntos dos bancos com encosto. Eu quis saber a opinião deles e eles tb acham que não vale a pena. Venha à praça sim!!! Atualmente, há bancos para sentar. Se tivermos os tais bancos com encostro, provavelmente terá um morador de rua dormindo nele e você não terá onde sentar. É o que eu acho.

PEDRO disse...

Senhor ou senhora,

Acho que argumentos para ser favorável ou contra idéias e realizações temos aos magotes. O instituto do direito romano apoia o contraditório, matéria de sua prolixa literatura. O que não se encontra para legitimar pensamentos são apoiamentos ao pensamento que se contradiz ele próprio. Ora, se já temos bancos como o senhor se refere já temos a "cama" que o senhor é contra. Não consta que ninguém no mundo tenha dormido em encostos. Encostos são recostos para cadeiras, camas e outros e servem para proteção de colunas vertebrais. Não é uma questão de opinião é uma questão de fato ortopédico. Não é uma invenção nova e sua defesa é encontrada com facilidade nos compêndios primários e sem erudição dos manuais de posturas. Não quero me alongar em tema tão irrelevante. Lamento apenas.

Atenciosamente,

Pedro Braga

Lulu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lulu disse...

Pedro, é simples, e acho difícil você não ter entendido: com encosto, quem resolve dormir no banco, não cai, ou seja, é melhor, mais confortável. Sem encosto, o cidadão precisa se equilibrar pra não cair para um lado ou para outro, ou seja, é menos confortável. De qualquer modo, não sou dona da praça - todos que nela vão, estes sim, têm o poder de decidir o que é melhor pra ela -, então, se a maioria quiser, bancos com encosto serão colocados. Apenas exponho aqui, democraticamente, meu voto contra.